Sines

Além da vocação marítima natural, tem o privilégio de possuir condições únicas no pais tornando-o num dos poucos portos europeus de águas profundas as quais, permitem a acostagem de navios de grande porte, que servem uma Zona de Indústrias pesadas e de elo de Ligação entre Portugal e o resto do Mundo.

A Cidade de Sines, antiga vila piscatória com uma baía lindíssima e uma praia procurada por muitos, cresceu a partir dos anos 70 a uma velocidade impressionante. Com a instalação do porto de águas profundas e as industrias subsequentes a sua vida iria mudar para sempre.

Agora cidade, continua no entanto a ser uma varanda sobre o mar não só para contemplar a praia mas também como observatório da crescente actividade de navios de grande porte. Tardes soalheiras de muitas marés, pescadores e marinheiros.

Data do Paleolítico a primeira presença humana em Sines junto das Ribeiras de Morgavel Junqueira e Berlogão.

Numa região rica em peixe e marisco terá sido natural que já no Neolítico, se tenham fixado ai as primeiras comunidades.

Com os Púnicos (Cartagineses) ter-se-á começado a utilizar a Ilha do Pessegueiro como zona portuária. É também provável que um grupo Celta denominado Cinetos, tenha vivido na região e até feito o derivar o nome actual Sines. A outra hipótese será a do étimo latino para baia “sinus”.

A Cidade de Sines, antiga vila piscatória com uma baía lindíssima e uma praia procurada por muitos,

Recebe carta régia em 1362 e ainda na primeira metade do século séc. XXV é construída a fortaleza. Terá sido também por volta de 1468/69 que terá então nascido um dos maiores navegadores Portugueses, Vasco da Gama.

Desde o final dos anos 90 e início do século XXI assiste-se a um relançamento do complexo, em especial, na componente portuária, fase que ainda hoje se vive, marcada pelo crescimento do Porto de Sines na sua componente comercial atualmente com muitos projetos a emergir.