Cidade Romana de Miróbriga

A Cidade Romana de Miróbriga foi classificada como imóvel de interesse público desde 1940.

Afeto ao Instituto Português do Património Arquitetónico e Arqueológico desde 1982, o sítio arqueológico de Miróbriga situa-se nas proximidades da cidade de Santiago do Cacém.

Só muito mais tarde, já nos anos quarenta do século XX, o Dr. João da Cruz e Silva, investigador natural de Santiago do Cacém inicia trabalhos de pesquisa mais sérios e sistemáticos.

O primeiro conhecimento acerca das ruínas da cidade romana de Miróbriga, reporta-se ao século XVI através do humanista André de Resende referindo-se a elas como uma povoação outrora chamada Miróbriga. Promovidas pelo Bispo de Beja, D. Frei Manuel do Cenáculo, foram então efetuadas escavações já no século XIX.

Desde 1959 até à década de 70 é D. Fernando de Almeida quem efetua em Miróbriga diversas campanhas de escavação.

Interpretando como templos os vestígios arqueológicos detetados no Fórum, D. Fernando de Almeida defendia a tese de que Miróbriga seria um santuário com as necessárias infraestruturas de apoio aos peregrinos: um complexo termal, habitações e um hipódromo destinado às festividades aí realizadas.

Portal do Litoral Alentejano - Ruinas de Miróbriga Centro Interpretativo

Horário

* Terça a Sábado
9:00 – 12:30 h- 14:30 – 7:30 h

*Domingo:
9:00 – 12:00 h- 14:30 – 17:30 h

* Encerra à segunda-feira e feriados de 1 de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de Maio e 25 de Dezembro

Tel. +351 269 81 84 60

A Cidade Romana de Miróbriga dispõe de um Centro de Acolhimento e Interpretação, construído pelo IPPAR, e realizado no âmbito da filosofia de intervenção nos monumentos arqueológicos visitáveis, tendente a criar infraestruturas imprescindíveis ao melhoramento da explicação e interpretação dos sítios visitados, ao mesmo tempo que a regular e disciplinar os fluxos de visita.

Acesso pela EN 120 que, a partir de Santiago do Cacém sai em direção Grândola/Lisboa. Parque de Estacionamento para ligeiros e autocarros.

Portal do Litoral Alentejano Ruinas Romanas de Miróbriga

As Termas das Ruínas da Cidade de Miróbriga compreendem dois edifícios distintos, mas contíguos, as chamadas Termas Este e as Termas Oeste.

É mais normal estes edifícios encontrarem-se distribuídos pelo tecido urbano. A justaposição dos dois balneários mirobrigenses poderá explicar-se por razões de economia, visto que assim se reduziam os investimentos necessários à condução e escoamento das águas.

O primeiro edifício data do século I d.C. e foi construído no período da renovação urbana da cidade.