Odemira

Odemira foi habitada desde tempos remotos desconhece-se contudo, a sua origem. Vários foram os povos que se estabeleceram aqui , entre os quais romanos e árabes, que marcaram os usos e costumes das gentes da região. A reconquista de Odemira foi tardia, realizada, pensa-se, pelos frades guerreiros da Ordem de Santiago. Em 1238 todo o Alentejo, incluindo Odemira, estava nas mãos dos cristãos. Em 1245, D. Paio Peres Correia, Mestre da Ordem de Santiago, faz a doação do castelo de Odemira ao Bispo do Porto – D. Pedro Salvadores. Em 1256, D. Afonso III Passa a pertencer à coroa conseguindo foral em 28 de Março.

Situada como está, perto do limite do troço navegável do Mira, situa-se sobre o rio num local dominante. No reinado de D. Dinis, o senhorio de Odemira é doado a Manuel Pessanha (1319), um genovês que terá vindo ajudar a organizar a marinha portuguesa.

Com D. Afonso IV, Odemira passa, por alguns anos, para a Ordem de Santiago, acabando por voltar à coroa em 1352. O foral estabelece o termo do concelho e retém uma certa continuidade em D. Pedro volta a entregar o castelo de Odemira à família Pessanha em 1357 .

Já depois, em 1387, Lourenço Anes Fogaça recebe de D. João I a vila de Odemira. O último elemento desta família a deter o senhorio de Odemira foi João Fogaça, escudeiro da casa do Infante D. João. O primeiro Conde de Odemira foi D. Sancho de Noronha (1446), que obteve o título por carta passada por D. Afonso V.

No século XIX, o regime liberal reestrutura os limites do concelho, dando-lhe a sua configuração atual. O concelho abrange uma área extensa ao longo da costa e no seu interior uma vasta área de serras e campos com uma fauna e flora diversas; fazendo parte freguesias de outros concelhos, alguns deles extintos, como é o caso do de Colos e Vila Nova de Milfontes. 

Sendo em área o maior concelho do país, Odemira não poderia deixar de ser um Município de cores e contrastes diversos. Desde a planície, as serras e o mar, são também benefícios desta região o Rio Mira e a barragem de Santa Clara.

Além das suas dezasseis freguesias, possui uma zona costeira  de 55 Km totalmente integrada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina dos quais 12 são praias. São também de excepcional beleza terras como Vila Nova de Mil Fontes ou Zambujeira do Mar entre outras.

Odemira é com certeza um dos mais belos territórios da costa portuguesa.

Portal do Litoral Alentejano Odemira Costa Vicentina